- 9 dicas de planejamento financeiro para quem mora sozinho – Nova Gestões

9 dicas de planejamento financeiro para quem mora sozinho

9 dicas de planejamento financeiro para quem mora sozinho

 

Você mora sozinho e tem tido dificuldades em controlar o seu orçamento? Ou está prestes a morar sozinho e tem medo de não conseguir controlá-lo? Bem, saiba que você não está sozinho — medos e dificuldades relacionados à organização financeira são extremamente comuns.

Nesses casos, o planejamento financeiro é o primeiro passo para começar a organizar as suas finanças, adotar novos hábitos que ajudem a economizar e, principalmente, poder planejar melhor o futuro. Todas essas questões são pontos essenciais para evitar endividamentos e controlar melhor o seu dinheiro.

A seguir, elaboramos uma lista com 9 dicas que o ajudarão a fazer escolhas mais conscientes na hora de gastar e, principalmente, a controlar o seu orçamento pessoal. Continue lendo e saiba quais são elas agora mesmo!

1. Crie um controle de orçamento

A planilha de controle é o primeiro passo para iniciar a organização financeira. Com ela, você passa a acompanhar todos recebimentos e gastos que faz ao longo da semana, ou do mês, dependendo da frequência com a qual prefere controlar. Pode-se criar um documento próprio ou utilizar um modo digital para isso, como o Organizze.

2. Registre todas as receitas e despesas

Fazer um controle mais rigoroso das contas ajuda a identificar o seu padrão de consumo e quais são os impactos que os gastos geram nos seus ganhos. Nesse sentido, o controle é o ponto de partida — mas, se não houver um registro preciso das movimentações realizadas, dificilmente será possível fazer uma análise mais precisa.

Para um acompanhamento mais direcionado, vale a pena fazer uma separação dos gastos por categorias, como, por exemplo, supermercado, aluguel, energia elétrica, água, saúde, lazer e transporte.

Além disso, vale dar destaque para os pequenos gastos, pois, no somatório total, podem representar grande quantia que, se não for acompanhada, pode causar a sensação de que o dinheiro “sumiu”.

3. Reduza os gastos supérfluos

Manter um bom planejamento financeiro também envolve saber quanto gastar e quando é melhor evitar o consumo. Portanto, outra dica muito importante envolve a redução dos gastos que são supérfluos.

Isso não significa, necessariamente, que se deva abrir mão do lazer ou de almoçar no restaurante preferido de vez em quando. Mas é necessário rever algumas questões e adotar medidas simples. Algumas delas incluem:

  • alterar o plano de TV a cabo;
  • fazer substituições inteligentes, trocando marcas por outras similares, que tenham a mesma qualidade por um preço menor;
  • planejar as compras;
  • evitar comer nos restaurantes mais caros.

4. Acompanhe as promoções do supermercado

Fique atento aos folhetos de supermercado e veja se os produtos em promoção estão com um preço mais em conta. Caso sejam itens necessários e de consumo regular, aproveite e faça a compra, o que ajudará a economizar da próxima vez que precisar repor os itens.

Dica bônus: evite fazer as suas compras com fome. Isso faz com que você encha o carrinho com uma quantidade de alimentos bem acima do normal — e, normalmente, as escolhas acabam não sendo tão saudáveis.

5. Evite compras por impulso

Antes de comprar aquele produto que deseja ou aproveitar uma liquidação, pergunte-se se você realmente precisa desse item e se esse é o melhor momento para fazer a compra — assim, evitará o risco de se endividar.

Além disso, vale a pena analisar se existe algum produto similar por um preço mais acessível e que atenda às suas necessidades da mesma forma. O ideal é sempre fazer esse planejamento antes de decidir comprar, para que você não comprometa os seus rendimentos.

6. Utilize o cartão de crédito somente quando necessário

O cartão de crédito é um excelente aliado, que pode ser a única salvação em um momento de emergência ou no caso de adquirir itens que possuem um valor muito alto, por exemplo. Contudo, fazer o uso indiscriminado desse recurso pode comprometer o seu planejamento financeiro.

É preciso tomar cuidado com a sensação de liberdade que um cartão passa. Por não pesar diretamente no bolso, como quando se faz o pagamento à vista, muita gente perde o controle e usa com uma frequência bem maior do que o ideal. Vale lembrar que esse é um dos maiores motivos de endividamento.

7. Crie uma reserva de emergência

Quantas vezes você já passou por uma situação de emergência, não tinha dinheiro e precisou recorrer ao cartão de crédito ou a empréstimos, alterando o seu planejamento financeiro sem que houvesse previsão para isso?

Manter uma reserva de emergência ajuda a criar uma estabilidade financeira maior, garantindo mais segurança e passando a tranquilidade de que, mesmo que algum imprevisto ocorra, você estará preparado.

8. Planeje os seus objetivos e crie uma poupança

Você tem objetivos para curto, médio e longo prazo? Pretende trocar de carro? Fazer uma viagem? Comprar uma casa? Então comece a planejar os seus sonhos financeiramente e se programe para alcançá-los.

Com as metas estabelecidas, sabendo quanto precisa poupar mensalmente para alcançá-las, torna-se muito mais fácil iniciar o hábito de economizar. Só tenha o cuidado de não colocar valores muito altos no início, que não estejam dentro da sua realidade, pois isso pode gerar frustração e prejudicar o planejamento.

9.Tenha disciplina para colocar em prática e manter o planejamento financeiro

Por fim, esse é um dos aspectos mais importantes a respeito da criação de um planejamento financeiro. A disciplina é fundamental para que se coloque o controle do orçamento em prática, mantenha os planos, evite gastos excessivos e, sobretudo, mantenha a nova rotina adotada.

Sem ela, por mais que você acompanhe os seus gastos e elabore objetivos simples, o planejamento tem grandes chances de não funcionar depois de certo tempo, o que faz com que todo o trabalho seja em vão.

Para criar um planejamento financeiro eficaz e conseguir colocá-lo em prática, é preciso ter ciência de que, em muitos casos, é necessário adotar uma mudança nos hábitos de consumo. Apesar de parecer um pouco difícil, ou exigente demais, qualquer pessoa pode adotá-lo, basta ter vontade de cuidar melhor das finanças e ter a consciência de que algumas coisas podem ser diferentes de como eram antes.

O que achou do post de hoje? Que tal dividir essas dicas com outras pessoas? Compartilhe esse conteúdo nas suas redes sociais! Matéria publicada no site do aplicativo Organizze

Related Posts

Write a comment